Estranhos Amigos

E se você tivesse a oportunidade de sentar numa piscina de bolinha no meio da rua, ao lado de um estranho, apenas para conversarem e se conhecerem melhor?

É essa a intenção da ação “Take a Sit, Make a Friend” (Sente-se e faça um amigo) – histórias bonitas, coisas engraçadas e gente que aparentemente não tem nada a ver com a outra, descobrindo que somos mais parecidos do que imaginamos.

Emocione-se:

 

Amanda Armelin dia 5 de dezembro de 2013
Comente aqui
compartilhe

Amigo é amigo, FDP é FDP

 
Acho que amigo de verdade só quer ver a gente feliz. Ou deveria.
Os meus amigos pelo menos,  são desse tipo que tratam bem as pessoas que eu escolho pra namorar, porque sabem se que é o que eu escolhi, eu provavelmente esteja feliz pela escolha. Nunca tive problemas com gente reclamando de “sumiu porque tá namorando”, “não gostei desse seu namorado” ou qualquer tipo de crítica (mesmo que haja alguma): eles me respeitam.
E digo mais: nunca, nenhum amigo meu, vai ficar tratando meu namoro como algo ruim, como se o fato de gostar de alguém tivesse me tornado uma pessoa ausente idiota por estar apaixonada (até porquê, se o fizerem, não são amigos de verdade, não é mesmo?)
Tem gente que trata namoro dos amigos com desdém. Eu chamo de recalque.
Sabe, e se você parar pra pensar que ele GOSTA de passar o tempo dele com a namorada? Que ele ESCOLHEU ficar com ela ao invés de fazer qualquer outra coisa com outras pessoas? E se você se tocasse que, quando ele passar mal, tiver insônia, estiver com fome ou quiser chorar, é pra ela que ele vai ligar?
Nunca vi problemas na vida a dois e me incomodo com quem o faz; sempre que algum amigo começa a namorar, eu fico super feliz pela pessoa, trato bem a pessoa que ela escolheu para estar ao seu lado e entendo que isso não me torna menos amiga, mesmo que eu vá vê-lo com menos frequência: pelo contrário, espero que ela o faça sempre mais e mais feliz, porque no fim das contas, não é esse o sentido de estar com alguém?
As pessoas fazem planos, sonham com o amor a vida toda. Aí vem um idiota qualquer, e faz parecer que amar é algo ruim. Eu acho mesmo é que algumas pessoas deveriam rever suas prioridades antes de apontar o dedo na vida dos outros, só isso.
Aos meus amigos que namoram, o meu respeito. Porque eu sempre (SEMPRE) vou querer o mesmo em troca.
Amanda Armelin dia 4 de junho de 2013
Um comentário
compartilhe

Denis Penis

Nunca fomos normais, e acho que esse é nosso maior orgulho. De um cara qualquer que chegou em mim na balada enquanto meu (agora ex) marido tinha ido no banheiro a melhor amigo. E todas as vezes que conto nossas histórias as pessoas riem.

Quase ninguém acredita que você é assim, esse mundão de tarefas e coisas numa pessoa só. Esse infinito de histórias engraçadas que já escrevemos juntos. Todo mundo ri de como eu insisto em te chamar de Penis e você, de Panda. Do quanto você é bagunceiro e eu organizada e mesmo assim, nos damos tão bem morando juntos. De como você está sempre colorido; eu tão monocromática, e mesmo assim, formamos uma bela dupla ao andar lado a lado.

Do quanto a gente fica longe, mesmo morando na mesma cidade, e quando se encontra, parece que foi ontem que nos vimos pela última vez. Como as coisas não mudam quando a gente gosta. Eu não me importo com sua religião, sua visão política ou se tem ideais diferentes dos meus. Aliás, nunca fez diferença conversar sobre isso, porque você é sempre meu alto astral, confidente e sorriso frouxo quando quero chorar.

O DJ que sempre toca “shinny happy people” quando entro na balada e me faz sentir a guria mais especial do mundo. O abraço que nunca canso de dar e a saudade que nunca canso de sentir. O (segundo, porque primeira sou eu) melhor estourador de pipoca do mundo, os mil palhaços que alguém sabe ser. O cara mais artista e engajado com 30 mil projetos lindos ao mesmo tempo.

Talvez eu nunca tenha te dito isso, mas te admiro pra caralho. E espero que nunca (NUNCA MESMO) você saia da minha vida. Hoje é seu aniversário, e tô muito feliz por poder comemorar com você à noite (não é sexo, tá gente?). Que nunca nos falte esse clima de festa e essa dose de amô.

Feliz aniversário, Denis Penis \o/ Que estejamos juntos nos próximos 59 (e meio).

 

Amanda Armelin dia 27 de março de 2013
Comente aqui
compartilhe

Meu gigante favorito

Eu não me lembro do dia em que te conheci, e talvez isso me faça a pior amiga do mundo.

Ou não.

Porque o que importa é que eu lembro do quanto você cuidava de mim no colegial (ninguém chegava perto com um guarda-costas desse tamanho). De como você me levantava no colo, feito boneca. De como você tirava meu chinelo (sim, eu ia cafona pra escola) e jogava dentro de outras salas de aula. De como você me esmagava de propósito, até meu ombro sair do lugar.

Lembro-me com orgulho de ir tomar cerveja no posto todo sábado de manhã, pra lavar o carro e te ver. De como saíamos TODO SANTO FIM DE SEMANA juntos. E de como seus amigos tinham medo de mim. Lembro de como você ri até hoje das minhas loucuras e de como fala com orgulho que eu sou sua amiga mais maluca.

Lembro de como meus namorados tinham ciúme de você, e vice-e-versa. Lembro de como eu tive que te segurar aquela vez para não bater em um deles.

Lembro de quantas vezes chorei no seu colo e de quantas vezes comemos pipoca juntos.

Lembro que somos amigos há tanto tempo que nem sei quanto tempo faz.

Quase choro toda vez que ouço você falar de mim: sempre me faz parecer melhor do que eu sou. Adoro como você está presente sempre que a família toda também está: porque você é parte dela.

Porque você é meu melhor amigo, e porque eu não tenho e nunca tive vergonha de dizer que te amo.

Obrigada por sempre ter sido o ogro mais doce da minha vida.

Ah, e feliz aniversário, grandão!

Amanda Armelin dia 4 de setembro de 2012
2 comentários
compartilhe

Links de SEXta #35

@naitman dia 20 de julho de 2012
Comente aqui
compartilhe

Vem Aqui!

Fuçando minhas coisas por aí, achei um texto que um GRANDE amigo fez pra mim há tempos atrás e acabei esquecendo de publicar. Chorei de novo ao ler, só pra variar. Denis, apenas OBRIGADA, já que nunca sei o que dizer ao certo. ^^

Viver são várias aventuras e a Amanda dá a impressão de que quer viver cada uma delas.

Ou pelo menos a maioria.

Essa moça fez uma mistura interessante na vida: intensidade com responsabilidade. Sabe batalhar por conquistas, ter objetivos, tirar o melhor da dor e do amor.

Aproveita cada experiência como se fosse única e algumas delas até são.

Nunca se esquece que existem aquelas experiências para serem vividas a sério e pelo tempo que durarem.

Tem convicção que não dá pra saber o que vai acontecer amanhã mas está ansiosa para descobrir.

É corajosa!

Tem dúvidas mas procura saber as respostas, sem medo.

Procura sempre o bem, por isso tem um mundo aberto, sincero e verdadeiro.

Quem é bem vindo na vida dela sabe o quanto vale a pena.

Esse blog é um pedaço da aventura que a Amanda mostra pra gente fazer parte.

Muitas outras provavelmente estão acontecendo enquanto você lê esse texto e, quem sabe um dia, chegam até aqui.

Se liga que ela é foda!

Amanda Armelin by @_diosanto

Amanda Armelin dia 28 de novembro de 2011
Comente aqui
compartilhe

Sobre brincar de gente grande

Sobre brincar de ser gente grande:

Pagar água, luz, telefone, internet, condomínio, celular, supermercado e aluguel. Mais 299 taxas à sua escolha, sem contar a saidinha no fim de semana (já que ninguém é de ferro): O chopp, a coxinha, os 10% do garçom. O estacionamento, o seguro, IPTU, IPVA e o caralho à quatro.

Se sentir bonita(o) sem ter dinheiro para investir em si mesma(o), prover amor, sexo, carinho, fidelidade e dar atenção pro(a) gato(a). Isso quando existe um(a).

Perder o vô, a vó e o amigo de infância para o papai do céu, que precisou chamá-los mais cedo. Chorar como se não houvesse amanhã. Conhecer a tristeza que nunca pensou ser possível. Sentir que ela é real.

Engolir o choro, esquecer o medo do escuro, de falar em público, de ser machucada(o) pelo amor. Aprender a consertar corações quebrados apenas com saliva. Mesmo percebendo que sempre ficam pedacinhos faltando.

Tratar bem os animais, as pessoas, as coisas. Principalmente quando eles não merecem, ou quando você não tem amor sobrando para doar.

Sorrir às vezes sem vontade. Aturar quem não se quer. Não poder ter mais a sinceridade de criança, nem dizer o que realmente pensa sem filtrar as palavras.

Morar longe da mãe, sofrer por quem não se deve. Cortar laços, abandonar raízes, destruir castelos de areia. Chorar de saudade da mãe. Ligar pedindo colo.

Perder o emprego, ficar desesperada(o). Encontrar outro emprego, continuar desesperada(a). Respirar fundo e se acalmar.

Procurar amor, over and over again. Desistir por hora. Voltar a procurar.

Fazer novos amigos. Não esquecer dos velhos.

Viajar pra longe, pra perto E na maionese. Sozinha(o), com a família, com os amigos ou à dois.

Ganhar dinheiro. Gastar ele todo. Pagando água, luz, telefone…

Sorrir ao fim do dia. Além de deitar a cabeça no travesseiro e dormir em paz.

SaiDaqui!

Amanda Armelin dia 3 de outubro de 2011
9 comentários
compartilhe

Em algum lugar no meio da vida virtual e da real…

Ontem, conversando com uma pessoa sobre blogs e vida virtual, lembrei-me desse texto da @Babiarruda que li há um tempo atrás. E confesso que concordo com ela:

“O que posso dizer é que somos seres únicos, pensamos, sentimos e agimos de formas diferentes. As pessoas não são robôs e sim, possuem sentimentos e estão sujeitas a oscilações de humor e de amor. O mundo virtual aproxima caracteres, concilia afinidades e traz as pessoas para o mundo real, e isso é indiscutível.”

second_life

Vida virtual versus vida real vai sempre ser uma interrogação. Até onde confiar nas pessoas do mundo virtual? Quem são aquelas pessoas na vida real? É saudável e excluir do mundo real e viver na frente de um computador? É fácil abstrair o mundo virtual e não ter contato com pessoas de outros lugares?

Não sei. Não sou psicóloga, não sou médica, muito menos entendida de tudo. Mas sei que tudo que é extremo, faz mal. Minha opinião pessoal é que amigos virtuais podem e devem existir SIM. Cada vez mais as sensações  e sentimentos se espalham até no mundo surreal que a Internet criou. Não vejo problemas em fazer amigos do outro lado do mundo com quem você possa conversar às 4h da madrugada quando estiver com insônia. Muito menos em desabafar com alguém via MSN quando não se pode pegar um avião e correr para o colo da mamãe (acreditem, eu faço muito disso!)

Por outro lado, não se pode descartar o contato. O olhar. O toque. O cheiro. Sentar na mesa de bar para se embriagar com aquele amigo doido de pedra, ou ir no cinema com aquela amiga fofa pra chorar na comédia romântica que ninguém mais iria contigo. Sociabilizar-se.

E porque não unir o melhor dos dois mundos?

Tornar amizades virtuais em reais. Conhecer pessoas nunca fez mal à ninguém. Viaje, troque experiências. Conhecimento. Arrisque um pouco (sempre com cautela ante ao desconhecido, ok?), descubra que ele não é nada como parecia na foto do Twitter. Beije aquela gata que fica muito mais bonita ao vivo do que na foto do Facebook. Se irrite com aquele cara que parecia tão legal pelo Orkut, mas que é um mala na vida real. Descubra as pessoas.

Tire suas máscaras virtuais sempre que possível. Use Internet como recurso de novas amizades, mas não esqueça que a vida é vivida em carne e osso.

Resumindo: Use o Twitter para chamar os amigos, mas não leve o notebook pro boteco. Entendeu meu ponto?

Relacione-se. Na vida real. Na vida virtual. Na vida imaginária. Onde quiser. Somos todos feitos de sociabilização. De contato. Não acha?

E SaiDaqui!

Amanda Armelin dia 17 de agosto de 2010
3 comentários
compartilhe

Quando sobra tanta falta…

Tem hora que me sobra tanta falta.

pensativa

Como se um abraço de mãe curasse tudo. Ou um beijo de avô que já virou anjo.

Talvez se eu andasse na grama com os pés descalços; ou se dançasse na chuva fria, rodopiando como se não houvesse amanhã, as coisas ficariam mais coloridas.

Se eu corresse atrás do arco-íris, ou meditasse no topo da montanha…Se eu pulasse numa cachoeira, ou jogasse futebol de botão com o velhinho do banco da praça. Como se me faltasse o ar, me sobraria amor pra dar a vida inteira.

Como se tudo que eu vivi até agora fosse só uma pequena parte de tudo que eu ainda sinto falta. Como se ligar pro meu pai ou brincar no balanço do parque fosse acalmar meu coração.

Talvez se eu fechar os olhos bem forte, e ouvir a música que vem do silêncio, minhas preces sejam ouvidas. Talvez elas seriam ouvidas de qualquer forma, no meio do barulho delicioso que as crianças fazem quando toca o sinal do intervalo aqui do lado do escritório.

Talvez se amor fosse sempre correspondido, e na mesma intensidade. Se nunca houvesse briga, nem intriga.

Ou se amizade não conhecesse distância. Se brincar de pique-esconde fosse eterno. Algodão doce, ah, se fosse infinito.

E se eu chorasse? Escrevesse?

E se eu gritasse até enrouquecer, até enlouquecer à mim? À todos?

E se eu tranformasse tristeza em música? Felicidade em estilo de vida, talvez?

E se todos nós pudéssemos viver assim, com sobra de amor? De dinheiro? De sorrisos?

E se tudo fosse mais fácil do que parece? Aí sim, seria só fechar os olhos e lembrar como é gostoso viver.

SaiDaqui!

Amanda Armelin dia 13 de julho de 2010
3 comentários
compartilhe

Quando nem tudo são flores…

Ninguém nunca disse que seria fácil. Nem que seriam sempre flores.

Mas no fim das contas, mudar a vida completamente valeu à pena.

Para quem não conhece nossa história, leia um pouco mais aqui.

E essa, é a visão do @rbarato sobre nossa vinda do interior de São Paulo para Porto Alegre.  Eu adorei, e espero que gostem também.

“Mudanças não são fáceis, isso é um fato já consumado e devidamente arquivado. Mas elas tendem a serem boas.

Seja de ares, hábito ou o corte de cabelo. Faz bem, renova.

Principalmene se ela é grande.

Mudar de cidade é fácil pra quem muda pra uma cidade vizinha, por exemplo. Mas experimente mudar pra outro estado, a 1400km de casa. Essa, querido amigo leitor, não é nada mamão com açúcar.

Mudando sozinho provavelmente fica mais difícil, mas não é meu caso. Então vamos ao que interessa.

No começo é tudo super legal. Novidade é gostoso. Chegar num lugar que você, antes, só conhecia por foto – ou nem isso – passa a ser divertido. Sair bater perna. Procurar mercados, lojas e outras coisas que serão necessárias no seu dia a dia é legal!

Aí o tempo passa. Você já conheceu bastante lugares e pessoas diferentes. E ai começa a ficar difícil. Começa a sentir falta dos amigos que ficaram. Da família. Dos velhos hábitos e rituais e isso vai te consumindo.

Até certo ponto você aguenta a saudade – e é ela, o vilão dessa história – mas num momento ela aperta e… bum! Abraço amigão. Se você estiver sozinho, há meses fora de casa, ainda não fez amigos e se dedica apenas ao trabalho é a hora que você pensa durante 90% do tempo em voltar.

E essa decisão é tão difícil como a decisão de mudar. E só cabe a você saber o que realmente quer.

Agora se você tem alguém, seja uma companheira(o) ou um melhor amigo que já fez no trabalho tudo muda. Você vê que o que ficou pra trás não é tudo o que você precisa pra ser feliz. Não que sejam menos importantes, jamais! Mas isso é administrável. Saudade é administrável. Voltar pra antiga casa em feriados, datas especiais ou apenas por voltar pra visitar passa a ser o remédio.

E tendo alguém do seu lado fica mais fácil você ver o quanto você mudou. Quanto você amadureceu e se tornou alguém melhor. Porque, queira ou não, você tem que fazer sua comida, botar o lixo pra fora e lavar sua cueca.

Em palavras mais simples: mudar nos faz crescer. E como disse lá no começo, não importa a mudança. A tendência é melhorar, sempre.

Então se você tem dúvidas em mudar eu lhe digo: MUDE. Por mais perrengue que você sabe que vai passar no final vai ver que tomou a decisão certa.”

Né? ;)

Agora SAIDAQUI! e vá mudar sua vida…

Amanda Armelin dia 2 de março de 2010
8 comentários
compartilhe

« Página anterior

pesquisa

contato

RSS Feed