Por um mundo atrás das telas

Faço parte de uma geração que se diz livre, mas que adora cagar ditar regras.

Pior que isso: seres que estão construindo suas vidas em redes sociais, baseando-se pura em simplesmente em suas tão ditas “verdades”. Fazendo dos seus quartos seus próprios e únicos mundos.

Quando a vida real deixa de ser fator principal, e o contato físico com outros seres acaba se tornando incômodo. Gente que vive vomitando regras de como escrever, como tuitar, o que dizer, quando responder….menos de como sair pelo mundo, quebrar a cara e aprender na marra.

Gente essa, que de tanto tentar padronizar a vida alheia, faz tudo errado e deixa tudo acabar em caos.  Seres que pensam estar sempre certos, que não se interessam pelo que os outros pensam ou não dão valor aos sentimentos alheios. Vive numa bolha. No escudo que criou atrás de uma tela de computador.

E sabe o que é pior? Essa vida, TAMBÉM é real. Porque você passa a ser parte de uma realidade onde ficar o dia todo na frente de um computador, de pijama, comendo tudo que há na geladeira e tuitando sobre sua vida perfeitinha é o auge do seu ser.

Dá para ter uma noção do quanto nossa geração é perigosa? Essa, que está construindo e destruindo valores e hábitos.Criando mundos de fantasia, onde não existem problemas e tudo está sempre bem.

Sem exercício físico, sem amigos criados ao acaso, vindos de um tropeção ou uma bola que caiu no vizinho. Aliás, que bola? Mais fácil pegar o controle do vídeogame né? Pipas empinadas por um controle de Wii. Boliche sem precisar sair de casa.

Relacionamentos com beijos na boca apenas imaginários.
Onde vamos parar?

SaiDaqui!

autor: Amanda Armelin

Bocuda, nerd, tatuada. Cervejeira de carteirinha e louca por cachorros (principalmente bulldogs). Além do sorriso no rosto, mantém paixão absoluta por bacon e sexo.

compartilhe esse post

Comentários

  1. @piovezan disse:

    Brincar na rua está difícil, mas botar os filhos pra tocar numa banda é uma boa hein?
    http://www.youtube.com/watch?gl=BR&v=6CPHnZV0K-k

  2. É isso aí, Amanda! Mundo real dá medo! Muitos predadores soltos talvez… mas muita superproteção no conforto dos condomínios também…tem que encarar mais a floresta urbana…e os humanos tem que aprender a se encarar sem medo.
    Parebéns pelo artigo.
    FuriousWolf Warrior (Lobo Maldito)

  3. […] Por um mundo atrás das telas […]

  4. Pauline disse:

    Tenho medo das próximas gerações, dos meus futuros filhos… porque parece que a tendência é piorar ;(