Enfim, uma utilidade para as moscas!

postado por em 27/10/2009

Se você odeia aquela maldita mosca chata-lazarenta-filha da puta-morfética-corna-do inferno que insiste em ficar zunindo perto do seu ouvido quando você menos espera tanto quanto eu, seus problemas acabaram! Enfim, encontrei uma utilidade para as moscas. E melhor ainda, unifiquei essa  utilidade com algo para passar o tempo. Sabe quando você está coçando o saco no serviço? Então… Vamos ao...

continue lendo

Bola de Neve

postado por em 25/10/2009

Sabe o que mais me incomoda em relacionamentos? Bolas de neve. Tenho certeza que você sabe o que é. Todas aquelas pequenas coisas bobas, que vez ou outra acontecem e incomodam uma das partes do relacionamento, mas que acabam ficando por isso mesmo, e nunca são discutidas. Até que elas viram muitas coisas, e passam a incomodar mais ainda. E acumula-se. Acumula-se a angústia de querer falar, mas...

continue lendo

Adestramento Canino (com manual)

postado por em 23/10/2009

Para os que ainda não me conhecem, eu nunca escondi de ninguém meu amor incondicional por animais. Já tive gatos, cachorros, tartarugas, peixes, pintinhos, hamsters, aranhas e cobras de estimação. E não, nunca quis ser bióloga, nem veterinária. (Estranho, eu sei). Minhas “filhas” – Crotilde (jibóia), Cremilda (Caranguejeira) e Creosvalda (phyton albina) – Saudade delas =/...

continue lendo

Transbordando Sentimento…

postado por em 20/10/2009

Mais uma terça-feira qualquer na minha vida, com mais uma conversa cotidiana de MSN com um amigo…Conversávamos sobre como meu ano de 2009 tem sido conturbado e sobre as mudanças e reviravoltas que minha vida tem dado nos últimos tempos (e acreditem: não para!) Quando menos se esperava, a conversa foi se tornando absurdamente viajada. E falamos do lado bom da saudade. Porque no fim das...

continue lendo

Sorrir para si…

postado por em 19/10/2009

Tinha mania de ver poesia em coisas mais idiotas. Achava bonito carregar o mundo nas costas pra depois provar o quanto sofreu. Aliás, achava bonito sofrer. Esperava que um dia valesse à pena. E nunca vai saber se valeu. Ninguém nunca vai saber por completo por onde vagaram seus pensamentos, ou o que fez ela enquanto a cidade dormia. Nem ela, nunca mais vai saber, quando é de verdade ou apenas...

continue lendo